A epidemia da obesidade infantil

A realidade é injusta, escute esta história:

“Ninguém é um menino diferente. Grandalhão e forte é motivo de chacota entre crianças e adultos do seu convívio.
Pensam que ele não tem razão de ser ou existir, pois ele é apenas Ninguém.
Ele não entende que o motivo para o seu isolamento é sua aparência física, traduzida injustamente em défict intelectual.
Ninguém queria apenas ser alguém, visto com compaixão pelos que o cercam. Ele não escolheu ser obeso. Criado pela avó, num lar de pais ausentes, tenta ser agradado por um bom prato de comida, cheio de boas intenções.”

O que pensamos

Crianças obesas necessitam de apoio por alguns motivos:

Não conseguirão perder peso sem a colaboração da família e da equipe escolar.

Serão psicologicamente marcadas por toda a vida.

As doenças crônicas (diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial e dislipidemia) têm se manisfestado precocemente, precipitando severas consequências em qualidade de vida e morbimortalidade.

No que acreditamos

A aceitação do próprio corpo pela criança é fundamental.

A aceitação do diferente por todas as crianças é necessário e se faz urgente.

A compreensão de que a obesidade é uma doença entre os pares, pais e equipe escolar.

Como agimos

Formação de pais e equipe escolar

Conscientização entre crianças – obesas e não obesas – de como os alimentos interagem com os órgãos do corpo humano, contribuindo para a prevenção da obesidade

Construção de estratégias no mundo do entretenimento para a conscientização sobre a importânica da alimentação saudável